Pesquisar este blog

14 de setembro de 2014

EU E MINHA CASA SERVIREMOS A DEUS


Js. 24:1-28

O povo de Israel sofreu quatrocentos anos de escravidão no Egito. Homens, mulheres e crianças sobreviveram à custa do duro trabalho em uma terra de língua, cultura e espiritualidade estranhas. Mas para um povo rebelde quatro séculos são muito tempo para resistir a influências externas. Os israelitas se acostumaram ao Egito, inclusive a venerar os deuses da religião de seus algozes. Para discipliná-los como nação e purificá-los da idolatria egípcia, Deus os fez peregrinar durante quarenta anos no deserto. Dos 600 mil homens que deixaram o Egito (além das mulheres e crianças), apenas Josué e Calebe junto à geração nascida no deserto chegaram à terra prometida, a Canaã. Com o poder do Senhor, eles venceram os povos que ocupavam a terra prometida a Abraão e à sua descendência. Depois de demarcar a propriedade de cada uma das doze tribos, Josué, já velho, reuniu em Siquém todas as tribos de Israel. Chamou os conselheiros, os líderes, os juízes e os oficiais para ouvirem a última mensagem de Deus pela sua boca. O profeta lembrou-lhes os feitos do Senhor a favor do seu povo, advertiu-os sobre os perigos de deixá-lo e propôs uma escolha, mostrando-lhes que a resolução dele e de sua família estava firmada: continuariam servindo ao Senhor. O povo acompanhou a resolução de Josué enquanto esteve vivo e serviu a Deus durante o tempo em que os anciãos preservaram a memória dos feitos do Senhor.
 A reflexão sobre a postura de Josué produz ensinamentos preciosos para nós e nossa família.

1º ENSINAMENTO: Servir a Deus não é um acontecimento natural, mas o resultado de uma decisão íntima no coração.

“Mas, se vos parece mal o servirdes ao Senhor, escolhei hoje a quem haveis de servir; se aos deuses a quem serviram vossos pais, que estavam além do Rio, ou aos deuses dos amorreus, em cuja terra habitais.” (v. 15).

Ninguém nasce servindo a Deus, mas, pelo contrário, a natureza humana inclina-se para o pecado. Assim, crer e obedecer a Deus implica em consciência, renúncia, humildade e disposição. E como toda decisão, a de pertencer ao Senhor traz responsabilidades e confrontos com nós mesmos e com o mundo que não O conhece.

2º ENSINAMENTO: Os pais são os líderes do seu lar.

“Porém eu e a minha casa serviremos ao Senhor” (v. 15c).

- A decisão começou com Josué, depois se estendeu a todos de sua casa. Deus pôs o homem como responsável do lar, por isso, quando há ausência ou negação de sua autoridade, há desequilíbrio nas relações internas. O pai é o primeiro exemplo de homem, de marido e de pai que os filhos têm.
- A mãe como auxiliadora idônea é fundamental para uma família saudável e próspera. É ela quem deve ensinar às filhas a serem boas esposas, mães e mulheres de verdade. Ela é modelo de mulher também para seus filhos homens.
- Enquanto os pais são os mestres, os filhos são os aprendizes. Eles aprendem pelo exemplo. Os pais prestarão contas a Deus pela educação que deram aos seus filhos.

3º ENSINAMENTO: A decisão de servir a Deus não pode ser protelada.

“Mas, se vos parece mal o servirdes ao Senhor, escolhei HOJE a quem haveis de servir” (v. 15a).

Enquanto retardamos a escolha de andar nos caminhos de Deus surgem atalhos, vícios e sabotadores da família (adultério, pornografia, drogas, falsas religiões, vãs filosofias, avareza) que levam para mais longe dEle.



4º ENSINAMENTO: Para servir a Deus é necessária a renúncia de crenças, tradições e costumes que estão em desacordo com a vontade revelada de Deus.  

“Agora, pois, temei ao Senhor, e servi-o com SINCERIDADE e com VERDADE; deitai fora os deuses a que serviram vossos pais dalém do Rio, e no Egito, e servi ao Senhor.” (v. 13).

Muitas tradições que herdamos de nossos pais são contrárias à Palavra de Deus. E esta Palavra é quem possui maior autoridade espiritual para guiar nossas decisões.

5º ENSINAMENTO: A relação com Deus deve ser firmada com uma aliança.

“Josué, pois, disse ao povo: Sois testemunhas contra vós mesmos e que escolhestes ao Senhor para o servir. Responderam eles: Somos testemunhas. Agora, pois, - disse Josué - deitai fora os deuses estranhos que há no meio de vós, e inclinai o vosso coração ao Senhor Deus de Israel. Disse o povo a Josué: Serviremos ao Senhor nosso Deus, e obedeceremos à sua voz. Assim fez Josué naquele dia um pacto com o povo, e lhe deu leis e ordenanças em Siquem”. (vs.22 a 25).

Após questionar o povo e ouvir sua resposta de escolher a Deus, Josué firmou aliança com o povo e ergueu um memorial para que os israelitas não esquecessem o compromisso com o Senhor. Quando fazemos uma aliança entre nós, a nossa família e Deus, a presença do Senhor se fará presente em nossos lares até o fim de nossas vidas e sobre todas as gerações que perpetuarem em obediência a esta aliança. Mas, quando quebramos nossa palavra com o Senhor, recaem consequências de dor, sofrimento e condenação sobre nós.

FAZENDO A ESCOLHA CERTA

1. Hoje você tem a oportunidade de escolher servir a Deus e influenciar sua família a fazer o mesmo. Não há como ficar neutro.
2. Escolhendo servir a Deus, você encontrará dificuldades, mas também receberá do Alto poder para testemunhar e iluminar as pessoas com a luz do Evangelho.
3. Existem escolhas que não podem ser proteladas. Não escolher a Cristo como Senhor e Salvador trará condenação eterna.
4. A aliança que o Senhor quer fazer conosco produzirá frutos de arrependimento e novidade de vida.
5. Quando estamos sob a aliança do Senhor abençoamos toda a nossa casa.


Pr. Alex Gadelha

0 comentários:


Conselhos no Twitter