Pesquisar este blog

30 de maio de 2010

Deus Aponta o Caminho




Quando estamos diante de situações que exigem decisões difíceis, se não quisermos nos precipitar ou fazer uma escolha da qual venhamos a nos arrepender depois, a primeira coisa que devemos fazer é pedirmos uma resposta de Deus. Isso não quer dizer que devemos esperar que Ele faça tudo em nosso lugar, como crianças que almejam que seus pais determinem o seu futuro. É necessário compreender que Deus não vai fazer tudo o que podemos fazer. O Senhor não vai decidir todas as questões de nossa responsabilidade e capacidade. Ele vai orientar e aguardar a nossa decisão (Sl. 32:8).
Deus aponta o caminho (Sl. 25:8). Ao afirmar isto, queremos dizer que Ele demonstra alternativas. Revela caminhos que O agradam e que nos abençoam, bem como aqueles que abomina e que nos são prejudiciais. Ensina o certo e o errado, indica a melhor escolha para evitarmos o pior.
Perceba este princípio em algumas passagens bíblicas:
-  As árvores frutíferas do Éden ou a árvore do conhecimento do bem e do mal. Sobre as primeiras ordenou comer livremente, sobre à segunda, Ele disse: “dela não comerás, por que no dia em que dela comerdes certamente morrerás” (Gn. 2:16, 17).
-  A vida e o bem ou a morte e o mal, a bênção ou a maldição (Dt. 30:15-22).  
-  A porta e o caminho estreitos que conduzem à vida ou a porta e o caminho largos que conduzem à perdição (Mt. 7:13,14).
-  O fruto do Espírito que promove paz, segurança e galardões ou as obras da carne que geram dor, vergonha e condenação (Gl. 5:16-23).
-  Andar na luz, ter comunhão uns com os outros e perdão de pecados ou seguir nas trevas e viver na prática da mentira (1Jo. 1:6, 7).
Deus nos criou com liberdade de obedecê-lo ou não, de seguir os Seus conselhos ou a própria vontade. E deixou claro que escolhas baseadas em desejos egoístas vão causar danos. Ele disse a Caim: “Se procederes bem, não é certo que serás aceito? Se, todavia, procederes mal, eis que o pecado jaz à porta; o seu desejo será contra ti, mas a ti cumpre dominá-lo” (Gn. 4:7). O nosso destino pessoal é construído à partir de escolhas e ações no presente. “O caminho se faz ao caminhar”. Como Deus intervém em nossas vidas? Ele aponta as melhores escolhas e nos potencia naquilo que somos incapazes.
A forma como Deus tratou o povo de Israel durante os 40 anos de peregrinação no deserto é um exemplo de Sua maneira de interagir com o homem. Ele poderia “num piscar de olhos” transladar o povo para Canaã, mas preferiu ensinar o princípio do esforço pessoal e da fé em sua providência. Quando saíam do Egito, ordenou-lhes que marcassem com sangue de cordeiro as ombreiras de suas casas para não terem os seus primogênitos mortos; quando estavam entre o mar e o exército de Faraó ordenou que marchassem em direção às águas (Êx. 14:15); próximo de Canaã mandou que conquistassem os povos que habitavam a terra (Js.1:1-6) etc. Mostrou sua providência enviando uma nuvem para protegê-los do sol escaldante, uma coluna de fogo para aquecê-los durante a noite, deu-lhes água da rocha, pão e carne do céu. O Senhor os guiou e os sustentou durante a peregrinação (Ex. 13:21). A responsabilidade do povo era de obedecer à sua voz e caminhar.
O Senhor aponta para onde devemos andar, mas temos que tomar cuidados com os atalhos do mundo e labirintos da carne. Devemos seguir as placas que Ele fixa ao longo de nossa peregrinação, para nunca perder de vista a Sua direção.



Pr. Alex Gadelha

1 de maio de 2010

O Fator Tempo


O tempo é um agente de desgaste da vida. É impossível vencer a degradação do corpo. Mesmo que tentemos maquiar nossas rugas, continuaremos como folhas que nascem belas e viçosas, mas que murcham com o correr dos ponteiros.
O tempo é o chamado da morte, que entrou no Éden depois do pecado. Desde então, homens de Deus têm ensinado a buscar enquanto se pode achá-lo (Is. 55:6).
O profeta Isaías disse que “todos nós murchamos como a folha, e as nossas iniqüidades, como um vento, nos arrebatam”. Is. 64:6. Moisés falando sobre a brevidade do homem disse que “tudo passa rapidamente, e nós voamos” Sl. 90:10.
Jó na sua angústia argumentou com Deus: “O homem, nascido de mulher, vive breve tempo, cheio de inquietação. Nasce como a flor e murcha; foge como a sombra e não permanece; e sobre tal homem abres os olhos e o fazes entrar em juízo contigo? Quem da imundícia poderá tirar coisa pura? Ninguém! Visto que os seus dias estão contados, contigo está o número dos seus meses; tu ao homem puseste limites além dos quais não passará”. Jó 14:1-5.
O poeta Davi foi mais enfático ainda e escreveu: “Pois ele conhece a nossa estrutura e sabe que somos pó. Quanto ao homem, os seus dias são como a relva; como a flor do campo, assim ele floresce; pois, soprando nela o vento, desaparece; e não conhecerá, daí em diante, o seu lugar”. Sl. 103:14-16.
O sábio Salomão falou das angústias que fazem parte do percurso da vida: “Ainda que o homem viva muitos anos, regozije-se em todos eles; contudo, deve lembrar-se de que há dias de trevas, porque serão muitos. Tudo quanto sucede é vaidade”. Ec. 11:8. Ainda advertiu sobre o perigo como a mulher adúltera lida com o tempo: “Ela não pondera a vereda da vida; anda errante nos seus caminhos e não o sabe” Pv. 5:6.
Com suas afirmações e indagações no sermão do monte, o Senhor Jesus ensinou a não sermos escravos das necessidades. Exortou-nos a olhar além do aqui e agora:
“Qual de vós, por ansioso que esteja, pode acrescentar um côvado ao curso da sua vida? Portanto, não vos inquieteis, dizendo: Que comeremos? Que beberemos? Ou: Com que nos vestiremos? Porque os gentios é que procuram todas estas coisas; pois vosso Pai celeste sabe que necessitais de todas elas; buscai, pois, em primeiro lugar, o seu reino e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas. Portanto, não vos inquieteis com o dia de amanhã, pois o amanhã trará os seus cuidados; basta ao dia o seu próprio mal”. Mt. 6:27, 31-34.
   Paulo tinha consciência da lei da semeadura e por isso exortava os crentes a usarem o tempo para plantarem aquilo que gera frutos no coração de Deus: “E não nos cansemos de fazer o bem, porque a seu tempo ceifaremos, se não desfalecermos” Gl. 6:9. Em suas epístolas, mostrou o seu cuidado com o progresso espiritual dos novos crentes e advertiu-os quanto à maneira de viverem:
“Pelo que diz: Desperta, ó tu que dormes, levanta-te de entre os mortos, e Cristo te iluminará. Portanto, vede prudentemente como andais, não como néscios, e sim como sábios, remindo o tempo, porque os dias são maus. Por esta razão, não vos torneis insensatos, mas procurai compreender qual a vontade do Senhor”. Ef. 5:14-17.
Pensando nesse poder consumidor do relógio, devemos consultar a sabedoria de Deus e pedir o discernimento necessário para gozar o melhor da vida. O tempo degrada o corpo, mas pode ser um forte aliado para aprimorar o caráter. Então use a efemeridade de seus dias para investir na eternidade, obedecendo a Deus e se desgastando em pró de Sua Vontade.


Pr. Alex Gadelha

Conselhos no Twitter