Pesquisar este blog

8 de setembro de 2008

Um País Sob a Ira de Deus



“Deus se ira todos os dias”.


Quero confessar alguns sentimentos que me ocorrem quando contemplo o caráter de Deus. Todas as vezes que examino as ações e os sentimentos divinos sinto uma profunda admiração para com a Sua Pessoa. De um lado admiro sua benevolência, paciência, compaixão e amor, por outro, fico reverente diante de sua santidade, sua justiça, sua ira, sua vingança. Também mexe comigo a tentativa de compreender a essência de Deus na triunidade, sua manifestação através do Filho e a contínua ação pelo Espírito Santo. Sinceramente, não é todas as vezes que consigo compreender a essência divina. Mas quando realizo pequenas descobertas, minha mente saltita como uma criança que é surpreendida com um presente do pai.

Como conseqüência de algumas descobertas, outro sentimento que nasce em meu coração é o temor. Aquele respeito gerado devido a quem a pessoa é e não meramente ao que ela possui. A fidelidade e a excelência do Senhor seduzem a minha alma e lança o meu corpo ao chão, ao prostrar-me, ao manifestar de minha adoração. É devido ao temor que tenho por Deus que sinto prazer em afirmar-lhe minha servidão, em crucificar o meu ego e evidenciar submissão à Sua Vontade.

Mas ainda tenho outra reação diante da Figura de Deus: Eu tenho medo de Deus. Sei que ao entrar na Sua Família pela fé em Cristo agora sou Filho, não apenas criatura. E tal privilégio me traz muitas responsabilidades: a obediência aos seus mandamentos, o zelo pelo nome daquele que me remiu na cruz, o cuidado para com meus irmãos, a Igreja, o dever de iluminar e salgar o mundo, o amor para com aqueles que estão de fora. Estou ciente de que quando não estou em conformidade com a vontade do Pai, passo a tornar-me merecedor da vara de Sua disciplina. Assim, passo a arriscar-me, porque essa vara causa dor, às vezes momentânea, outras vezes contínua e irreversível, e ainda outras vezes os ferimentos podem levar-me a morte. Deus pode me matar.

“Deus é um justo Juiz, um Deus que expressa sua ira todos os dias” escreveu Davi no Salmo 7:11. Ele sabia o que estava escrevendo, pois experimentou o furor da ira divina. Devido aos seus pecados, agravados pela posição onde Deus lhe havia colocado, sofreu vexames, tormentos e tragédias dentro de sua casa. Viu Deus matar o filho do adultério, houve estupro incestuoso entre Amnom e Tamar, homicídios entre irmãos, foi perseguido pelo próprio filho, muito sangue foi derramado na guerra, uma vida com cheiro de morte. O seu adultério e homicídio trouxeram muitas lágrimas, noites mal dormidas e dor nos ossos (Sl. 32). Somente depois de muito quebrantamento e um sincero arrependimento Davi sentiu o bálsamo do Senhor, que aliviou a sua alma (Sl. 51).

Mas a pergunta central é:
Deus ainda sente indignação todos os dias?


-> Então, se Ele continua irado porque não age da mesma forma como fez com a geração de Noé, com os da Torre de Babel, com Sodoma e Gomorra, como com os Israelitas que foram mortos durante os 40 anos no Deserto?
-> Por que não manda fogo do céu para consumir os idólatras como o fez com os profetas de Baal?
-> Por que Deus não abre o chão para engolir aqueles que dentre o povo de Deus decidem resolutamente ser rebeldes?
-> Por que não queima os falsos ministros de louvor como fez com os filhos de Arão?
-> Por que não envia ursos para devorar aqueles que zombam dos homens de Deus?
-> Por que não mata aqueles que tentam tomar vantagem através da mentira, como fez com Ananias e Safira que caíram estirados aos pés dos apóstolos?
-> Por que não transforma homens arrogantes em bichos ou os matam comidos por vermes como foi com Nabucodonosor e Herodes?
-> Por que não cega aqueles que impedem as pessoas de se converterem a Cristo, como fez com o mágico Elimas?

Deus não mudou. Ele continua Santo, Amoroso e Justo. Porque um dos meios de Deus efetuar sua justiça é deixando o homem por sua própria conta. E o pior que pode acontecer ao homem é ser desprezado por Deus.
Encarnado em Jesus, Ele deu a sua maior prova de amor ao vir se humilhar e morrer crucificado para dar oportunidade de salvação. Um sacrifício sublime, gracioso. Mas quando o homem despreza tamanha graça, não há mais o que fazer.
O Brasil despreza a graça de Deus. E o reflexo dessa indiferença é percebido na inversão de valores e na crueldade dos crimes que testemunhamos hoje.

A Inversão De Valores

1. Lei da Homofobia – A tentativa de aprovar a relação entre duas pessoas do mesmo sexo. Algo expressamente condenado por Deus em sua Palavra.
2. A Profissionalização da Prostituição – Tentam aprovar a idéia de que prostituir-se é um estilo de vida lícito para gerar renda. Deus diz que não herdarão o Reino os que tais coisas praticam.
3. A Lei Maria da Penha – Ela se torna necessária porque existe uma vergonhosa desonra entre cônjuges ao nível do espancamento. Deus diz que os cônjuges devem cuidar um dos outros, como cuidam de si mesmo.
4. A Pedofilia – Monstros que mantêm relações sexuais com crianças, muitos usam a capa da Religião.
5. O Aborto – A luta pela permissão de assassinar alguém que não possui o mínimo de defesa. É cruel.
6. A Corrupção Política – Política como meio de enriquecimento e não para o bem do cidadão, compram-se votos, desviam-se verbas públicas, criam-se atalhos para o nepotismo, mantêm-se o povo alienado de seus direitos, explora-se a pobreza, até utilizam-se até do nome de Deus.
7. A Idolatria – O Brasil é um país idólatra, possui milhares de ídolos que são venerados por milhões de pessoas. O nome de Jesus Cristo fica em segundo plano e outros nomes ficam em evidência. Isso nos faz perguntar: O Brasil é do Senhor Jesus ou é do Diabo?
8. O Sexo Livre – Jovens que “transam” sem nenhum pudor. São até incentivados pelo Estado e pela Mídia. O Resultado: DSTs, mães solteiras, desestruturação familiar etc.
9. A Dissolução do Casamento – Separação pelos motivos mais fúteis. A família perde o valor.
10. A Ausência do Senso de Autoridade – Um dos reflexos está nas Escolas, na sala de aula com a anarquia dos alunos e a falta de ética dos professores.
11. O Suborno das Autoridades – Compra-se de guarda de trânsito a juízes.
12. A Má Fé dos Religiosos – Que em nome de Deus fazem atrocidades com a consciência de seus liderados. Tomam-lhe de casas a fogões, privam a liberdade, fazem proselitismo, tornam as pessoas filhas do inferno duas vezes.
13. A Liberalização da Maconha – A permissividade do uso de uma droga que alimenta o crime e destrói as famílias.

As conseqüências: Os crimes
Leia algumas manchetes de Jornais dos últimos dias

Pai e madrasta matam e esquartejam dois meninos em Ribeirão Pires
(Folha Online - Domingo, 07 de setembro de 2008).

Mulher grávida é espancada pelo ex-marido até morrer
(Jornal Portal de Polícia – Porto Alegre/RS sobre o crime ocorrido em Natal/RN).

Mãe é presa por prostituir a filha
(Jornal “O Liberal” – Belém/PA).

Aluna mata colega a facadas em sala de aula
(Porta de Notícias: g1.globo.com/Noticias/Brasil)

Comissário de menores é preso por pedofilia
(Jornal da Mídia – Salvador/BA).

Rapaz mata toda família a facadas
(Jornal “A Cidade” – Crime ocorrido em Julho de 2008 em Unaí/MG.

Estes fatos revelam vidas que ignoram a graça de Deus e por isso permanecem sob sua ira.

Veja o Que A Bíblia Diz:

“... o que, todavia, se mantém rebelde contra o Filho não verá a vida, mas sobre ele permanece a ira de Deus”. (Jo. 3:36).

“E o julgamento é este: A luz veio ao mundo, e os homens amaram antes as trevas que a luz, porque as suas obras eram más”. (João 3:19).

Por isso Deus os entregou, nas concupiscências de seus corações, à imundícia, para serem os seus corpos desonrados entre si; (Romanos 1:24).

“Mas os homens perversos e impostores irão de mal a pior, enganando e sendo enganados". (2ª Timóteo 3:12-13).

“Mas o meu povo não ouviu a minha voz, e Israel não me quis. Pelo que eu os entreguei à obstinação dos seus corações, para que andassem segundo os seus próprios conselhos”. (Salmos 81:11-12).

“Por isso, Deus entregou tais homens à imundícia, pelas concupiscências de seu próprio coração, para desonrarem o seu corpo entre si; pois eles mudaram a verdade de Deus em mentira, adorando e servindo a criatura em lugar do Criador, o qual é bendito eternamente. Amém!
Por causa disso, os entregou Deus a paixões infames; porque até as mulheres mudaram o modo natural de suas relações íntimas por outro, contrário à natureza; semelhantemente, os homens também, deixando o contato natural da mulher, se inflamaram mutuamente em sua sensualidade, cometendo torpeza, homens com homens, e recebendo, em si mesmos, a merecida punição do seu erro.

E, por haverem desprezado o conhecimento de Deus, o próprio Deus os entregou a uma disposição mental reprovável, para praticarem coisas inconvenientes, cheios de toda injustiça, malícia, avareza e maldade; possuídos de inveja, homicídio, contenda, dolo e malignidade; sendo difamadores, caluniadores, aborrecidos de Deus, insolentes, soberbos, presunçosos, inventores de males, desobedientes aos pais, insensatos, pérfidos, sem afeição natural e sem misericórdia.
Ora, conhecendo eles a sentença de Deus, de que são passíveis de morte os que tais coisas praticam, não somente as fazem, mas também aprovam os que assim procedem.”
(Romanos 1:24-32).

Para Concluir

- A responsabilidade da Igreja:
· Brilhar: Manifestar a opinião de Deus;
· Salgar: Dissolver as impurezas do pecado através de um comportamento reto;
· Influenciar: Transformar a família, o lar, o ambiente de trabalho, a sociedade.

- A responsabilidade pessoal:
· Conhecer o caráter de Deus – Ruminar as Escrituras, praticar os princípios lidos, relacionar-se por meio da oração;
· Desenvolver um profundo temor – Adoração em Espírito e em Verdade, 24 horas;
· Reconhecer o perigo de caminhar pelo inverso da vontade de Deus - De Deus não se zomba, horrenda coisa é cair em suas mãos.

Pr. Alex Gadelha

0 comentários:


Conselhos no Twitter